Finalmente





Eu te esqueci descendo as escadas,
retirando o  pó dos móveis,
olhando no espelho
os sulcos deixados pelo pranto em minha pele.
Da presença à sombra
demoraste muitas  taças de vinho
e  amargurosos poemas.
Foram muitas rezas para desfazer-se o quebranto,
e abrirem-se as fissuras
na carne do tempo.
Finalmente quebraram-se as algemas
e viraste lembrança desbotada num porta-retrato.
Finalmente, veio a vontade assassina de soterrar teu nome
entre os indigentes do meu passado.

Aíla Sampaio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso