sexta-feira, 6 de março de 2015

A vida é hoje



Essa primavera que eu trago
lacerada por invernos intermitentes
há de atravessar o tempo de estio
e plantar flores no indócil outono.
Entrelaçados ao mormaço da tarde
como num pergaminho antigo
meus versos já não são de amor;
apreenderam o orvalho das manhãs
mas só guardaram a penumbra das noites insones.
Quero ainda a solidão das tardes chuvosas
e sem testemunhas 
sob os lençóis ensandecidos
com que cubro todas as lembranças.
O que se foi pouco importa... menos ainda o que virá.
A vida é eternamente hoje. Aqui. Agora.


Aíla  Sampaio

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...