quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Ele




Ele  me olha feito ave voando, 
esquecido de angústias 
e preguiçoso para as tristezas; 
até parece que já nasceu sorrindo pra mim.
Ele escuta a canção do vento
como se fosse a minha voz 
sussurrando o seu nome...
E me abraça no escuro do quarto
como se eu estivesse presente,
e dos meus braços sentisse fome.

Sei que existo nele como as suas mãos
existem na saudade que me  escreve. 
E ele, desde muito pressentido,
existe em mim qual um amor antigo
que está em meu corpo vestido
como a minha própria pele.


Aíla Sampaio

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Simples possibilidade






Ainda não foi ontem, talvez nem seja amanhã, mas já me faz sofrer a simples possibilidade de um dia acordares sem vontade de mim.

AílaSampaio




Abraço








Se eu pudesse escolher aonde morar, não teria dúvida: iria viver para sempre dentro do teu abraço!

AílaSampaio






Olhares







Há olhares que vão bem além dos olhos, que têm desdobramentos e bifurcações. O teu é assim... e quando cheio de segundas intenções, me faz pensar numa fila indiana com todos os números ordinais do desejo.

Aíla Sampaio



segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Quem sabe





Escrevo-te no escuro, como quem te vê pela fresta,
e desenha com a memória as cenas 
que a saudade vai buscar:
a mão no cavanhaque, 
o olhar castanho debruçado na varanda
e o jeito de combatente de guerra 
que escuta ainda vozes perdidas no tempo.
 
Ah, meu amor, deixa que eu sonhe, não acendas a luz. 
Quero dormir no teu colo como da última vez.
Quem sabe, no silêncio, o filme volte
e eu possa recompor em pensamento a nossa história.
Quem sabe novamente eu esqueça os brincos no criado-mudo
e o desejo entre os lençóis, para que me encontres
em casa a qualquer hora.
Quem sabe, depois da minha partida,
ainda desatando os nós da despedida,
tu vejas meu olhar espalhado pela sala,
saindo sem vontade de ir embora. 
Aíla Sampaio
 


quinta-feira, 6 de setembro de 2012

 


PARA TI

Foi para ti o vento que soprou em meus cabelos,
o torvelinho de saudades que os enlinhou.
Foi para ti  que fiz uma janela na tarde
e deixei voarem os meus pensamentos,
feito aves de arribação.
Foi por ti que estendi a manhã
com seus lençóis sobre o tempo
e desenhei a claridade da noite
para enxergar teu vulto na escuridão.



NÃO DEMORES


Não te demores, amor!
O tempo tece armadilhas,
constrói barreiras
e interdita estradas.
Não esperes pelo vento
nem dependas da calmaria
das ondas para navegar.

Não te curves à distância
nem às impossibilidades
que a vida desenha.
Dê o primeiro passo
e venha acordar em mim
como uma manhã de sol
depois de uma noite de chuva. 

É teu o gesto
que nos levará ao abraço ou ao adeus!




RENÚNCIA


Eu te guardei no meu silêncio
para proteger-te das palavras insanas
que o amor às vezes pronuncia.
Eu te poupei dos escândalos
que fazem as minhas gargalhadas
quando estou nervosa e fico muda,

para não te expor aos caprichos 
da minha timidez.
Eu fiz tudo para que não percebesses
os despojos da minha renúncia
e seguisses o teu caminho,
sem uma denúncia sequer das minhas lágrimas;
mas tu nada compreendeste e eu fiquei
sem ter como dizer-te
que muitas vezes é o amor
a razão de irmos embora.


UM DIA

 

Um dia, meu bem,
terei poderes para fazer tudo o que quero:
construirei um jardim aonde possamos sentar
e eu te contarei as histórias
que Sherazade se esqueceu de narrar.

Tu serás um rei e habitarás o meu castelo.
Passearemos, todos os dias, para colher flores
e, quando quiseres entrar para a ceia,
estenderei tapetes vermelhos por onde fores pisar.


Nada farei por nenhum outro
que à minha janela bata por meus amores.
Só para ti abrirei as portas do meu corpo
só tua mão, como súdita, beijarei.
Noites adentro desfiarei meu rosário
e cobrirei teu leito de rosas,
velarei teu sono como uma cigarra noturna
que canta para afastar os males e as dores.

Roubarei as cores do arco-íris para fazer tuas vestes,

lavarei teus pés quando chegares cansado
Farei preces para que nunca mais me digas adeus
e fiques, para sempre ao meu lado.

Um dia, tu serás meu e eu farei de ti um Deus!


 
AílaSampaio 


Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...