segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A poesia







A poesia é uma forma de inventar e desinventar amores. É bom vê-los começar e terminar sem lágrimas, despencando apenas das palavras que lhes deram a luz. A linguagem poética cria, recria e descria realidades sem tocar uma nesga de sua concreta (?) estrutura. Assim, encontros se fazem, despedidas latejam, dores adormecem e acordam no mesmo compasso. Gosto de fazer rastejar o que me põe a alma cansada. Gosto de fazer com as palavras o que não posso fazer com os olhos e as mãos. Mas nada, absolutamente nada, tem certidão de nascimento, nome ou endereço. Tudo nasce e desnasce sem compromisso com o que, quem ou quando. A poesia é minha deserção desse mundo que, por mais íntimo que tente se fazer, me é inevitavelmente estranho.

 Aíla Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...