No meio do salão


A música parou antes do fim da festa. Ela ficou estática no meio do salão vazio, perdida no compasso do silêncio, sem ponto de partida nem de chegada, sem armas no meio da guerra. Restava-lhe escutar os passos da solidão que avinagrava as lembranças boas com a acidez da separação. Sabia que não poderia ser de outro jeito e mergulhava num abismo irreversível de descrença naquilo que um dia acreditou. Não havia remédio; nada mais remendaria aquela taça quebrada, então precisava não ser, não sentir, até  que a vida a tirasse pra dançar outra vez.

Aíla Sampaio

Comentários

  1. Tão suave esta dor...dá até vontade de chamá-la para dançar!

    Abração do Pedra

    www.pedradosertao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela visita, Araceli. Beijos! <3

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, me senti ela!
    www.luizainloosepapers.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso