Por conta das estrelas






Vem devagar. É de porcelana o meu chão. A vida tem me feito andar na ponta dos pés, sempre ressabiada com o peso dos dias. Não grite, não force a porta. Atravessa as minhas paredes e senta-te ao meu lado em silêncio. Preciso que a tua presença me vista com toda sutileza que o teu amor for capaz. Depois, podes tirar as pantufas de lã e andares seguro pelas ruas pedregosas da minha rotina. Já será noite e todas as delicadezas ficarão por conta das estrelas.

Aíla Sampaio



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso