domingo, 24 de novembro de 2013

Por conta das estrelas






Vem devagar. É de porcelana o meu chão. A vida tem me feito andar na ponta dos pés, sempre ressabiada com o peso dos dias. Não grite, não force a porta. Atravessa as minhas paredes e senta-te ao meu lado em silêncio. Preciso que a tua presença me vista com toda sutileza que o teu amor for capaz. Depois, podes tirar as pantufas de lã e andares seguro pelas ruas pedregosas da minha rotina. Já será noite e todas as delicadezas ficarão por conta das estrelas.

Aíla Sampaio



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...