quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Longe de ti




Sob o tecido da tarde,
o tempo costura as horas
para fazer a eternidade.
Sobre o desejo que arde
feito fogo
o teu corpo amanhece o meu

e dá as cartas do jogo.

Longe de ti, porém,
sou de mim só uma parte
e morro todo dia um pouco.


Aíla Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...