terça-feira, 10 de setembro de 2013

Bordado inconcluso


Eu pespontava esperança em nosso amor,
como quem bordava um anagrama num enxoval antigo.
Os nós pouco a pouco foram fechando a passagem da linha,
estancando o fio no linho como quem estanca o sangue na veia. 
O tempo  alinhavou a  nossa vida,
não arrematou as costuras nem apertou os laços;
deixou entrever no bordado inconcluso
a linha frouxa, o ponto quebrado, a relação interrompida.

Aíla Sampaio 






Nenhum comentário:

Postar um comentário