quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Finais de tarde




Bem que poderia ter sido diferente
mas tudo era pra ontem
e o nosso relógio
não tinha ponteiros;
fazia as suas horas
com a direção dos ventos.

Deu no que deu:
desencontros
desconfianças
festas demais
para poucos dezembros.

Resta uma saudade
quase aliviada
e uma sombra sem árvore;
um poema sem rimas,
nehuma explicação
e folhas de papel rasgadas
em todo final de tarde.

Aíla




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...