domingo, 23 de outubro de 2011

Essa despedida presa em nossos olhos, como uma lágrima que não cai, é dor adiada, torneira que pinga à noite inteira e não deixa meu desespero dormir.



Aíla Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...