segunda-feira, 22 de agosto de 2011



Tenho urgência de aparar arestas. Não sei conviver com rescaldos de desentendimentos nem sobras de rancor. Meu coração é terra fértil para o amor e suas sementes, não é campo minado. Seu tecido elástico recusa alargar-se com mágoas...



Aíla Sampaio
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...