Plenitude


 
 
Sensação de plenitude e liberdade... é assim que me sinto, como alguém que saiu de um estado de coma e voltou a si, renovada e dona de suas vontades. Bebo a vida com coragem, sem medo de embriaguez... puxo a venda que cegava meus olhos e descubro que, finalmente, recuperei o domínio sobre os meus sentimentos. Estou livre de qualquer jugo.
 
Rasguei as páginas em que estavam desenhadas as pessoas que me machucaram e soltei-as ao vento. Não quero sequer uma lembrança do que foi ou do que poderia ter sido. Recordações são heranças; em muitos casos, são sequelas, resquícios que não interessam. Nada como o tempo para nos fazer sentir o gostoso sabor das verdadeiras amizades. Se aprendi durante o torpor? A Tati Bernardi tem a resposta pronta: 'Aprendi a selecionar meus diamantes. Pedaços de vidro já não me enganam mais'.
 
Aíla

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso