sábado, 20 de agosto de 2011

Seremos sempre pronomes pessoais no singular... Não há plural quando as almas não se misturam. Eu e Tu...Tu e Eu, numa alternância de individualidades intocáveis, nunca Nós!

(Aíla)

2 comentários:

  1. É preciso dar oportunidade ao amor... precisamente o que disse no meu ultimo poema. É preciso esquecer as razões e dar uma chance ao amor. Parabens adorei passar por cá

    Beijinho

    ResponderExcluir
  2. Adoro as suas visitas, amigo poeta! Volte sempre!

    ResponderExcluir

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...