quinta-feira, 9 de junho de 2011

Minhas dores


Minhas dores, guardo todas no porão da antiga casa assombrada em que moraram meus pensamentos.
Padecerão de abandono na minha coleção mais bizarra, mas nunca de esquecimento.


Aíla

3 comentários:

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...