quarta-feira, 4 de maio de 2011

Enganosa cor



É verdade que não és como pensei:
simples e puro como frutas colhidas no pé.
Tua polpa suculenta foi imaginação da minha boca,
da minha língua que, sem provar, criou teu sabor.

Talvez sejas apenas um pomo de ouro,
nas mãos de Éris,
ou sazonal fruto que deixa cair a casca
e mostra seu legítimo gosto, sua enganosa cor.





2 comentários:

  1. Quanta verdade este poema encerra

    Parabens gostei de passar por aqui, beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Isso me lembra máscaras criadas que caem com o passar do tempo e as vezes é com dores que perfuram a alma que percebemos...adorei postagem!!!Bjs!

    ResponderExcluir

Despejo

Meu corpo te deu ordem de despejo. Meu coração, não. Ainda pulsa imberbe o desejo de atravessar a vida ...