sexta-feira, 6 de maio de 2011

Sem anestesia



Pequenas eternidades
fazem o meu mundo
de felicidades provisórias:
um pássaro na janela
uma flor que abre
- minúsculas epifanias
que mantêm os meus olhos abertos.

As feridas que nunca cicatrizam,
as dores sem analgésicos,
deixo que sangrem, que doam:
assim meu corpo, em carne viva,
veste cada hora como um unguento
e entrega ao tempo cada profundo corte.

Ter coração à mostra
é ter fratura exposta,
é viver todo dia
sem anestesia
o dia da própria morte.


Aíla

Um comentário:

  1. gostei daqui! peguei emprestado teus versos (devidamente creditados!).

    ResponderExcluir

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...