quarta-feira, 16 de março de 2011

Doer faz parte...

Todo crescimento requer um processo. Queimar etapas pode antecipar um ciclo, mas deixa sequelas, muitas vezes, definitivas. O homem que vê a borboleta se debatendo para abrir o casulo ajuda-a a sair, achando que está fazendo o bem; ela sai, mas não consegue voar, as suas asas não têm força. É que elas precisavam do esforço para maturar seu corpo e só então libertar-se. Liberdade antes do tempo é perigoso, implica riscos. Muitas crianças precoces perdem um pouco o sabor da infância; muitos adolescentes que são obrigados a assumir responsabilidades antes do tempo, depois de adultos, querem voltar a ser o que não puderam ser e se comportam de forma infantil, parecendo patéticos aos olhos de quem os observa. A verdadeira criança só se conserva no coração de quem realmente cresceu e sabe diferenciar e adequar prazer e obrigação; compromisso e descompromisso; seriedade e brincadeira, sem transferir culpas e responsabilidades.

Nietzsche diz que “é preciso um grande caos interior para parir uma estrela”. Ângela Ro Ro canta que “a liberdade está na dor”, entretanto, dor e sofrimento são despojos indesejados. Gostar deles implica uma patologia: o mazoquismo. À parte todo exagero, não é difícil admitir que a dor e o sofrimento são necessários, mas os recusamos como ervas daninhas. Ao primeiro sinal de uma dor física, tomamos logo um analgésico... se podemos ‘abortar’ o sofrimento de uma amor perdido, substituindo-o imediatamente por outro, por que não fazê-lo? Passado o efeito, todavia, a causa permanece a nos torturar.


Na verdade, não podemos (queremos) ser contrariados. Vivemos nos anestesiando com remédios, bebidas, ilusões. A alegria, nessa sociedade de aparências, virou uma obrigação, um passaporte para a vida de faz-de-conta a que (quase) todos se acostumaram em nome de uma felicidade postiça que insistimos em acreditar real. É preciso viver a dor, o luto pelas perdas, ir ao fundo do poço e juntar as ‘tralhas’ para jogá-las fora. Sem limpar a casa, como receber bem novos hóspedes? Como estarmos de braços abertos integralmente, sem receio de que caia alguma peça da armadura na qual insistimos em nos esconder, se a mantivermos em punho? Se não nos dispusermos a tirar a nossa máscara, um dia ela ficará definitivamente pregada ao nosso rosto e sequer nós mesmos nos reconheceremos no espelho da nossa alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...