segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Tela


O tempo costura a vida com pontos de cruz,

fazendo desenhos multicores no tecido dos dias.

Na tela em que meu destino foi bordado,

não há manchas de dedos nem frouxos alinhavos

desfazendo a harmonia.

Nasci, certamente, das bordadeiras de sonhos

que tecem lenços azuis todas as manhãs

para que a realidade, com seu duro fardo,

não pesponte escuridão onde o traço é de luz.


Aíla Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...