FADO


Fugi de todos os destinos
mas eles ainda atravessam o meu caminho
como fantasmas que se revezam para assombrar-me.
De nada adianta dormir;
a lida contra o vento se estampa em meu rosto
como palavras num pergaminho
e é irreversível a marca das tempestades.

Ninguém devora a carne do tempo impunemente.


Das braçadas contra a correnteza,
restou o cansaço, ficou a incerteza do porto
ancorada em presenças ausentes,
cidades perdidas no mapa da memória.
Fiz de nuvens o meu castelo alado.
e sobre escombros escrevi minha história.
De nada adiantou seguir os desvios
e quebrar as correntes:
Ninguém consegue fugir ao fado.

Comentários

  1. Fugimos de alguns
    Outros nem tanto...
    Já fugi do medo
    Deixei-me pegar pela paixão
    Fugi do sol poente
    Deixei-me pegar pela noite no céu
    Fugi do amor
    Outra vez estou amando...

    Ah! esses tristes e maus fados.

    Tácito

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria