TU E O OUTRO


Não a ti, que eu não amo mais,
mas ao outro que eu amei
e por quem sofro,
é que estendo este olhar perdido sobre as ondas
sonhando um mergulho impossível.


Não por ti, homem comum,
que me teve nos braços e conheceu meu corpo,
mas pelo outro que eu criei e fiz poeta,
é que sinto a dor desse dilacerado engano
que me corta feito um punhal de ouro.
És tu quem enterro hoje
sob os escombros de tantos conflitos;
és tu que faço morto em meu desejo
Não o outro que nunca existiu, nunca esteve comigo.


27/10/10


Comentários

  1. Querida Aila, descobrir que amamos uma projeção é dilacerante, mas é sinal de que não perdemos a lucidez. De toda dor, resta o poema, então já valeu a pena. Abs, Nico.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo poema, Aíla. E quem nesta vida não amou uma projeção?
    Estamos aguardando o livro com todos estes poemas.
    beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria