terça-feira, 5 de outubro de 2010

Tarde

Vontade de ti como, no verão, de um mergulho:
o corpo em chamas pedindo água.
Secos os rios e os olhos...
Já nem choro, só o coração lateja
descompassado sob o peito que arde.



Restam-me apenas o mar e seu pedregulho
meu olhar desfeito, minha boca seca
e a salobra sensação de que cheguei tarde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...