Valsa



Nada mais sei quando começas a dedilhar minha pele

como se tocasses uma valsa.

Rodopios incontinentis atravessam o quarto

enquanto furto as cores das tuas palavras

para desenhar o meu castelo.




Nada mais quero senão passear descalça

sobre os lençóis macios que guardam nossos segredos;

ver teu corpo refletido no espelho

a sangue frio me atravessando

como se atravessasse a brava correnteza de um rio.

Comentários

  1. Que carinhoso erotismo... As sutilezas sim proporcionam maior gozo. Eis aí o mais profundo regozijo: nas palavras!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, seu blog está entre um dos melhores de poesias que eu já vi, que reúne vários poemas, pensamentos que nos fazem refletir muito...
    Amei, nota 1000!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria