Apascentando sonhos







Como ser o teu espaço
e tua possibilidade?
O obstinado rio
a despejar no teu mar?
Quem me dera ser teu porto
no instante em que a vida arda,
não ser apenas o outro,
não ser aquele que tarda.
Pudesse te encontraria
no leito branco de nuvens,
mistérios apalparia
num sonho doce e suave.
Então, tu me indagarias:
– Trouxeste a chave?
– Sim, querida, e a lua...
– Entra, sou toda tua.



Carlos Vazconcelos

Comentários

  1. Simplesmente fantastico, muitos parabens, adorei esse verde-esperança

    Sublime.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso