segunda-feira, 7 de abril de 2014

De sobrevoo








Vou-me embora de mim por uns tempos, preciso de férias desse jeito intenso de sentir as coisas, dessa mania de querer carregar o mundo nas costas e sentir culpa pelo que não posso dar conta. Vou olhar tudo de sobrevoo, como quem, desmemoriada, está ausente até dos próprios pensamentos.

Aíla Sampaio 




(Quadro de René Magritte)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...