De sobrevoo








Vou-me embora de mim por uns tempos, preciso de férias desse jeito intenso de sentir as coisas, dessa mania de querer carregar o mundo nas costas e sentir culpa pelo que não posso dar conta. Vou olhar tudo de sobrevoo, como quem, desmemoriada, está ausente até dos próprios pensamentos.

Aíla Sampaio 




(Quadro de René Magritte)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso