sábado, 3 de agosto de 2013

Bagagem







Minha casa é meu corpo,
chão de areias movediças
e angústias sem asas.

Como ir embora das minhas próprias paredes
se não há porta que se feche ou que se abra? 

Como desfazer-me do que tenho 
se a única bagagem que carrego 
é a minha alma? 


Aíla Sampaio




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ele tinha o cheiro esverdeado do sereno que molhava a paisagem quando ela pela primeira vez o abraçou e sentiu como se entrasse num bos...