terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Fazes-me falta




Fazes-me falta quando, à noite,o silêncio das estrelas vira luz em meus olhos e não posso dividi-lo contigo; quando o sono se perde em devaneios e preciso abraçar o travesseiro para sentir a pulsação do meu próprio corpo noutro. Fazes-me falta quando amanheço atrasada para o dia e não há sol para aquecer-me, nem agasalho para o frio que gela as minhas mãos órfãs das tuas. As horas correm lentas, arrastando o tempo desperdiçado em saudades e jogando o inevitável em nossas vontades vãs. Cruzo os braços para ver a vida escorrer rápida e sigo em frente como se não carregasse comigo um espaço vazio, uma ausência tatuada a ferro e fogo no corpo e na alma.

Aíla Sampaio




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...