quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Contigo






Eu te vejo todas as manhãs
como se acordasses comigo.
E à tarde, na sesta, te encontro escondido
sob as dobras do meu pensamento.
Por um momento me curvo ao frio da distância,
mas logo, à noite, em silêncio, converso contigo
até adormecer para te encontrar no meu sonho
e outra vez acordar
como se em teus braços houvesse dormido.


Aíla Sampaio





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...