Tardiamente



Um dos mais difíceis aprendizados é o da espera. Sobretudo se não sabemos quando virá o que tanto esperamos ou mesmo se virá. Arriscamos, muitas vezes, subindo de joelhos os degraus do tempo, expostos ao sol, mas presos à esperança de que teremos o que desejamos. Secam os rios, desbota a nossa pele e, submersos noutras necessidades bem mais prementes que vão se avolumando, colocamos a um canto dos quereres, numa caixinha de guardados que vai embolorando, nosso tão precioso bem (quase) inatingível.

Acontece, não raro, que quando estamos distraídos, já com a frustração do não-vir se resolvendo, bate à porta o objeto dos nossos sonhos, com todos os eflúvios do que chega por vontade... Pois não é que  nos constrangemos com o querer sentir alegria e não sentir? A sem-graceza nos comove... O produto perdeu a validade, deteriorou-se pelo caminho longo, extraviou o brilho do tecido. Demoras extensas demais esgarçam a emoção. Melhor talvez seria nunca ter chegado (ou não tão tardiamente). Desejos, como crimes, também prescrevem.

AílaSampaio

Comentários

  1. Belíssima postagem!
    Muito interessante o seu espaço!
    Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria