sábado, 10 de março de 2012

Arquivo morto



Saudades se avolumam

nas prateleiras do tempo...

Deixo que a poeira soterre os rostos,

mas, de vez em quando,

o vento passa

e descobre os silêncios

que gritam nas pastas da memória,

fazendo inútil

a minha tentativa de colocá-las

no arquivo morto.

 
Aíla Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ele tinha o cheiro esverdeado do sereno que molhava a paisagem quando ela pela primeira vez o abraçou e sentiu como se entrasse num bos...