quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Medos



Desata os nós que ataste com as inseguranças, afrouxa os laços que apertaste com as conveniências, quebra as correntes das convicções calcificadas pelo receio de ousar o novo. Nós mesmos erguemos as paredes das prisões em que nos encarceramos e, atrás delas, cultivamos o fantasma do medo para nos proteger de risco de errar, de sofrer...



Aíla Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ele tinha o cheiro esverdeado do sereno que molhava a paisagem quando ela pela primeira vez o abraçou e sentiu como se entrasse num bosqu...