segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Não tente decifrar minhas mensagens pelo que pensas que sinto. O que escrevo tem as tintas da minha verdade, não do teu pensamento.

Aíla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...