quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Claridade




Não quero saber de amores que não saem ao luar nem passeiam com sua alegria pelos jardins ensolarados. Não quero lembranças encaixotadas nem sonhos que não possam continuar ao amanhecer. Nada de escuridões e medos que me obriguem a vendar os olhos... só quero amor que resista à claridade do dia!

Aíla Sampaio


Um comentário:

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...