domingo, 17 de julho de 2011

Datas



Jazem dezembros e natais
em minha memória
como restos de uma festa
quase sempre trágica.

Saudades se avolumam na bagagem
ano a ano,
desbotando os enfeites da árvore que já não monto.
Um rosário de penas  perde as contas
em minha lembrança
e revive em mim o destino
da pequena vendedora de fósforos.

Se pudesse, eu tiraria as datas do coração
e as deixaria só no calendário.

Aíla




2 comentários:

  1. Que bom que não conseguimos tirar essas e outras datas do coração, não é mesmo? (risos)
    Aproveite bem seu finalzinho de férias, querida!
    Abraços despenteados!

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito, tambem triste. Desejo que alegrias se façam presentes no teu calendário actual.

    ResponderExcluir

Ele tinha o cheiro esverdeado do sereno que molhava a paisagem quando ela pela primeira vez o abraçou e sentiu como se entrasse num bos...