domingo, 17 de julho de 2011

Datas



Jazem dezembros e natais
em minha memória
como restos de uma festa
quase sempre trágica.

Saudades se avolumam na bagagem
ano a ano,
desbotando os enfeites da árvore que já não monto.
Um rosário de penas  perde as contas
em minha lembrança
e revive em mim o destino
da pequena vendedora de fósforos.

Se pudesse, eu tiraria as datas do coração
e as deixaria só no calendário.

Aíla




2 comentários:

  1. Que bom que não conseguimos tirar essas e outras datas do coração, não é mesmo? (risos)
    Aproveite bem seu finalzinho de férias, querida!
    Abraços despenteados!

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito, tambem triste. Desejo que alegrias se façam presentes no teu calendário actual.

    ResponderExcluir

Despejo

Meu corpo te deu ordem de despejo. Meu coração, não. Ainda pulsa imberbe o desejo de atravessar a vida ...