segunda-feira, 25 de abril de 2011

Quando me faltas


Falta-me o chão, quando me faltas
e alta a noite desce
pesando em minhas pálpebras.
Entro de costas no mar,
depois subo correndo as escadas
e fico que nem Carolina à janela,
olhando as estradas
que nunca me levarão a ti.

Quantas vezes terei que morrer
até aprender que não posso mais
ressuscitar?


Um comentário:

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...