quarta-feira, 27 de abril de 2011

Caixinha de guardados



Quando o passado bate à minha porta com suas mãos de afeto, eu a abro pra que ele atravesse o tempo e se faça presente. A minha memória tem uma caixinha de guardados que não emboloram nunca; resistem à cinza das horas e ao imediato que não plantou raiz nem mereceu embalagem! Anos luz de ausência e basta ouvir a voz silenciada pelos desencontros para entender que o tempo, para quem sabe o que é o amor, só passa na cronologia dos calendários... É, Adélia, "o que a memória ama fica eterno"!

Aíla

Um comentário:

  1. Sem dúvidas as nossas memórias são eternas porque a amamos...adorei seu blog..Te seguindo!!!

    ResponderExcluir

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...