sábado, 30 de abril de 2011

As tintas da vida




Na instabilidade dos ventos estão o movimento e as cores da vida. Se é brisa, sente-se leveza, faz tempo azul de bonança e dão-se sorrisos fáceis. No vendaval, perturbam inquietações acinzentadas, preocupações que franzem o cenho e alongam os dias. Se cai um temporal, faz-se céu plúmbeo de desespero, ouvem-se gritos, escorrem lágrimas, voam páginas do livro ainda nem escrito. Nesse tempo escuro, pássaros não cantam e a alegria sofre, sepultada viva em faces contraídas. A vida assim se desenha. Cada um que pinte a sua com as cores que o coração lhe der. As tintas estão dentro de nós, não lá fora, aonde tanto procuramos.

Um comentário:

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...