quarta-feira, 24 de março de 2010

EXÍLIO



Aquele que foi meu chão
é hoje abismo



Sua boca
que tantas vezes sussurrou
meu nome,
agora grita;
aponta-me o dedo sua mão
que era só carícia



Aquele
que foi minha pátria
é hoje exílio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...