domingo, 7 de dezembro de 2008

Fado


Nesse fado que te cansa
e que Deus, do Céu governa,
eu deixarei também a lembrança
mas uma lembrança eterna.
De mim tens horas cheias
(pois já deixei o sol do meu sangue)
a aquecer tuas veias.
Se te sentes sem guarida
que esta idéia te conforte:
Deixei em ti minha vida
à espera da tua morte.


(ACB - 07/12/2008))

Um comentário:

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...