sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Por enquanto






O sopro do vento arrastando as folhas
A chave enferrujada na porta
A jaqueta perdurada no silêncio.

Somente seu olhar
desenha a tela do agora
na desordem do meu espanto.


Tudo era.
Somente ela é

e
por enquanto.




Aíla Sampaio


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...