Sem trégua




Minha vida sempre foi andar de salto alto sobre um varal de incertezas. Nasci  em carne viva e com a natureza moldada pro eterno, mas o mundo só me deu o provisório. Nasci pra andar descalça sobre brasas e não emitir um 'ai' sequer; pra ser de paz e dizimar as guerras, mas cedo me vi de armas nas mãos e jogada na luta com uma ordem imposta: ou mata ou morre! Não escolhi... foi minha sina essa morte diária pendurada nos olhos, esse desassossego de ventos a vestir-me na pele da noite,  sem dar trégua às minhas tempestades.

Aíla Sampaio

Comentários

  1. e como é intenso...
    beijo e bom estar por aqui.

    ResponderExcluir
  2. Após algum tempo...aqui volto, e te encontro mais poética, mais sensacional, mais única. Um abraço
    veraportella

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso