quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Sobrevivência emocional



Refletindo, sem nenhuma pretensão de impor as minhas 'verdades' ou convencer alguém de alguma coisa, chego cada vez mais à conclusão de que algumas pessoas só arrancam dos outros o seu pior certamente porque vivem pelo seu lado mais hediondo. 

Sempre estive convencida que que ninguém é inteiramente bom; alguns fazem aflorar o seu melhor, harmonizando e contemporizando as diferenças; outros, entretanto, sufocam a sua bondade possível e vivem para o mal, embora, na maioria das vezes, nem tenham consciência disso. São tão enfermos de alma que nem se apercebem da aberração que são para o próximo. Quando convivemos com essas pessoas nebulosas, sentimos que um só olhar delas é capaz de sugar as nossas forças.

Imagino que toda relação é mediada por energias que podem construir ou destruir, de acordo com o modo como são canalizadas. Daí existirem antipatias gratuitas, rejeição imediata a determinadas presenças. Como existem simpatias instantâneas e familiaridades inexplicáveis. Esse mistério é o que me faz pressupor os campos espirituais iluminados e os trevosos. 

Podemos tentar reverter a escuridão em luz se estivermos fortalecidos para arriscar-nos em território minado. Se não, resta-nos manter distância, respeitar as diferenças e evitar confrontos que gerem mais desarmonia. O afastamento, pois, de determinadas pessoas, pode ser uma questão de sobrevivência emocional.


Aíla Sampaio




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...