segunda-feira, 17 de junho de 2013

Deserção




Meu silêncio não é uma prece
tampouco ausência de tumulto 
ou pausa para a reflexão.
Meu silêncio é deserção por desistência.

Aíla Sampaio




Um comentário:

  1. Triste quando desistimos, quando não há nada mais que aos nossos olhos possamos fazer, daí, nos calamos.
    Um silêncio doído, cortante, navalha afiada sob a pele.
    Um grito muito e lágrimas copiosas.
    Parabéns!
    Todos os seus poemas são lindos.
    Beijos na alma!

    ResponderExcluir

Por enquanto

O sopro do vento arrastando as folhas A chave enferrujada na porta A jaqueta perdurada no silêncio. Somente seu olhar ...