terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Tudo





Dou-te a minha palavra.

Tudo o que sou está nela:
a minha verdade, coragem reinventada
nos sobressaltos do imprevisível,
e o meu poema: lírio inscrito na pedra.

Dou-te um novelo de peripécias 
e um grito que te pede 
socorro e zelo;
uma história sem fadas,
e teu nome escrito em minha boca
como um beijo. 

Dou-te o que me falta e o que me sobra,
o que me organiza e desordena,
a minha primeira alegria e a derradeira.
Dou-te, por fim, o meu momento 
e tudo o que restar da minha vida inteira.

Aíla Sampaio






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Despejo

Meu corpo te deu ordem de despejo. Meu coração, não. Ainda pulsa imberbe o desejo de atravessar a vida ...