O destino e eu


De vez em quando, brigo com o destino e jogo suas petições no lixo. Depois ele volta supremo e mostra que quem manda é ele. Aí eu me curvo e aceito os vereditos até a primeira oportunidade de pular o muro e fugir dele de novo. Assim seguimos nossa saga de encontros e desenconcontros... não sei se ele me leva a sério, mas eu o levo! Como todo casamento, temos altos e baixos, mas estamos sempre lado a lado... há outro jeito?

Comentários

  1. Olá, Aíla, gostei muito de ler seus poemas, alem do que seu blog é muito bom. Vou saboreá-lo devagar, cada cantinho irei conhecer pois sei que terei lindas surpresas.bjs

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Eliete. Seja sempre bem-vinda!
    Abraço, Aíla

    ResponderExcluir
  3. Havia tanto a dizer sobre destino.

    Uns dizem que está traçado, outros dizem que nós é que o marcamos. A eterna duvida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO

Calmaria

um poema inconcluso