quinta-feira, 31 de março de 2011

O destino e eu


De vez em quando, brigo com o destino e jogo suas petições no lixo. Depois ele volta supremo e mostra que quem manda é ele. Aí eu me curvo e aceito os vereditos até a primeira oportunidade de pular o muro e fugir dele de novo. Assim seguimos nossa saga de encontros e desenconcontros... não sei se ele me leva a sério, mas eu o levo! Como todo casamento, temos altos e baixos, mas estamos sempre lado a lado... há outro jeito?

3 comentários:

  1. Olá, Aíla, gostei muito de ler seus poemas, alem do que seu blog é muito bom. Vou saboreá-lo devagar, cada cantinho irei conhecer pois sei que terei lindas surpresas.bjs

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Eliete. Seja sempre bem-vinda!
    Abraço, Aíla

    ResponderExcluir
  3. Havia tanto a dizer sobre destino.

    Uns dizem que está traçado, outros dizem que nós é que o marcamos. A eterna duvida.

    ResponderExcluir

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...