sábado, 8 de maio de 2010

No dia dos meus anos


No dia dos meus anos,
tu vieste, como um anjo, abençoar-me.
Como um homem,
tu vieste beijar-me a boca,
ensinar-me o amor
em rápidas lições.

No teu abraço,
meu corpo desenhou espirais,
aprisionou o instante
e parou os ponteiros de todos os relógios
sem indagações.

Do lado de fora, a chuva a distrair
o mundo com seus muros e interditos.
Do lado de dentro, um incêndio
a queimar nossos corpos aflitos,
nossas bocas a compor, uma na outra,
as mais belas e impublicáveis canções.

04/05/2010

Um comentário:

  1. Oi querida,
    É um poema muito belo, representa o amor que pulsa nas veias, de um lado em que o mundo para no tempo, do outro que arde em chamas.

    Beijo

    ResponderExcluir

Para não te esqueceres

Para não te esqueceres das verdades que me dizias brincando, há as ruas que não mais atravessas comigo, há as casas de muro b...