sexta-feira, 26 de março de 2010

POESIA

Quem de nós, poetas,
pode cometer o desatino
de desatar os próprios nós?
O que seria da poesia
se, soltos como meninos,
vagássemos inocentes
apenas pelo paraíso?

É preciso purgação
atar e desatar laços
verter lágrimas
para cumprir o destino.

É preciso morrer muitas vezes
para se fazer poesia;
inventar mágoas
disfarçar sorrisos

porque é a tristeza que faz versos,
não a alegria!

6 comentários:

  1. poesia tem mesmo irmandade com sofrimentos, mana blogueira. E mesmo os próprios sofrimentos só encontram boa resposta em modo de poesia.
    Muito bom.
    Walmir
    http://walmir.carvalho.zip.net

    ResponderExcluir
  2. Nós poetas temos os olhos iguais.
    Nossos pensamentos são
    Os mesmos bastantes leais

    O mundo existe por nós
    Somos só um coração
    Atado por fortes nós.

    Tácito

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Posso postá-lo no meu humilde, pequenino, simplório blog? Ele precisa ser iluminado com essa maravilha oriunda da sua veia poética!!!
    Já muito me falam de você mas sem comentários sobre estas pérolas literárias!!!
    Aguardo autorização.... profjorgeluiz@gmail.com
    Parabéns mais uma vez mestra!!!

    ResponderExcluir
  5. "Porque é a tristeza que faz versos, / não a alegria!" Em outras palavras, que ouvi não sei quando e ditas não sei por quem: A felicidade não tem história.
    É isso mesmo. Com nossos próprios nós nós desfazemos os nós dos outros. É esse o milagre da poesia. Parabéns!

    ResponderExcluir

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...