segunda-feira, 9 de novembro de 2015

É preciso matar e morrer pra continuar vivendo

Nunca mais te direi o que me entristece nem os motivos da minha insônia. Nunca mais ouvirás o meu chamado nem saberás do quanto andei triste, bordando as tardes com lágrimas que nem o sol conseguiu secar. 

Deixei a noite  atravessar os meus dias numa impertinência voraz de pássaros sonâmbulos, para que a minha boca mastigasse o  teu nome. Nunca mais o pronunciei desde  o tratado de paz silencioso que usamos para nos proteger da dor. 

Evitamos o confronto das nossas razões, mas a memória, fustigada pela falta que fazemos um ao outro, sempre busca uma faca para cortar as flores que plantamos em nossas lembranças. Ninguém se separa de quem ama impunemente.

É preciso desconstruir as imagens, rasgar as alegrias congeladas nos ideais que insistem, reavivar as farpas, desalgemar-se das ilusões e dormir sobre as mágoas redivivas pra caminhar rumo ao esquecimento. É preciso matar e morrer pra continuar vivendo.

Aila Sampaio

Tempo de estio







Tempo de estio: 
pedras no caminho 
e coração vazio.

Aíla Sampaio 


 

À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...