segunda-feira, 17 de junho de 2013

Nosso amor









Nosso amor não aceita presságios nem finitude. Tem resistido ao sobe-e-desce das ladeiras, atravessado ruas movimentadas, dobrado esquinas escuras, mas se manteve austero diante dos perigos. De arestas aparadas, perdeu a fúria das ondas do mar, já não anda sobre as nuvens nem grita ao vento sua existência. Fez-se correnteza de rio, passo seguro em terra firme, silêncio que fala mansamente. É partida com certeza da chegada, voo livre com pouso certo; liberdade para aprisionar-se sem imposição. Já não delira; faz planos. Já não tem pressa; aprendeu a espera. Não é mais sonho; virou realidade.

Aíla Sampaio. 12 de junho de 2013.






Deserção




Meu silêncio não é uma prece
tampouco ausência de tumulto 
ou pausa para a reflexão.
Meu silêncio é deserção por desistência.

Aíla Sampaio




É com palavras que ergo as paredes da nossa casa. Só no poema é possível vivermos juntos para sempre.

 Aíla Sampaio

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Tentativas




O que fui foram tentativas. Nunca consegui a plenitude da ousadia ou a desnecessidade dela; jamais agi com beatitude ou danação. O que em mim foi guerra virou despojo de uma paz armada; o que foi sólido fez-se um  líquido amorfo; o que era quente ou frio escorreu morno. O que fui e o que sou continuam sem forma definida. O que serei, quem sabe, ultrapasse a tentativa.

Aíla Sampaio



Nada





Inquietam-me
a palavra não dita, 
o grito reprimido,
a dor silenciada, 
a falta de cuidado
com a fratura da alma
quando 
do amor imenso
não resta nada.

Aíla Sampaio


À espera de um eclipse

Quando ouvi tua voz pela primeira vez, uma explosão de silêncios me fez entender que nunca mais eu seria a mesma pessoa. Teu ros...